A REFORMA PROTESTANTE E O ESPIRITISMO

Reforma Protestante na visão Espírita

O processo das reformas religiosas teve início no século XVI em decorrência dos abusos cometidos pela Igreja Católica e uma mudança na visão de mundo, fruto do pensamento renascentista que emergia na época. A burguesia comercial estava em plena expansão e a igreja condenava os lucros do crescente capitalismo. Por outro lado, os reis europeus estavam infelizes com o Papa, que cada vez mais interferia nas decisões políticas dos países do velho mundo. A igreja estava perdendo sua identidade e acabou cedendo espaço para uma reforma que mudaria o curso da história.

No século XVI uma grande revolução eclesiástica ocorreu na Europa Ocidental, levando a mudanças consideráveis na esfera religiosa que, durante todo o período medieval, estivera sob o domínio da Igreja Católica. Essa revolução nas mentalidades teve tanto causas políticas como religiosas. Muitos monarcas estavam insatisfeitos com o enorme poder que o papa exercia no mundo, ao mesmo tempo que muitos teólogos criticavam a doutrina e as práticas da Igreja, sua atitude para com a fé e seu feitio organizacional. Ideias e razões distintas deram origem a diversas comunidades eclesiais novas. HELLEN, V., NOTAKER, H. E GAARDER, J. O Livro das religiões. Item: A reforma protestante.

Há 500 anos, novas doutrinas religiosas surgiram trazendo outras perspectivas para o cristianismo que até então era monopólio da Igreja Católica. Essas doutrinas atravessaram os séculos e permanecem vivas até hoje, com novos desafios e em plena expansão.

A Pré-reforma

A pré-reforma foi o período que antecedeu a Reforma Protestante. Teve início no final século XIII e se estendeu a meados do século XVI. Suas bases ideológicas serviram como referência para reforma de Martinho Lutero. Podemos destacar nomes como o de Pedro Valdo que se converteu ao cristianismo e viveu ajudando os pobres, tomando por base apenas os ensinamentos bíblicos. Seus seguidores ficaram conhecidos como Valdenses e se reuniam as escondidas para evitar a perseguição da igreja.

O Teólogo e professor da Universidade de Oxford John Wycliffe reivindicava o retorno da Igreja primitiva limitando o clero apenas a questões religiosas, deixando a política para o Estado. Wycliffe defendia a pobreza dos padres e os organizou em grupos para divulgar os ensinos de Cristo.

Jan Huss
Outro grande pré-reformador foi o sacerdote e intelectual da universidade de Praga Jan Huss (Ultima reencarnação de Hippolyte Léon Denizard Rivail, antes de retornar como Allan Kardec). Este lutou pela verdade cristã e contra a corrupção na Igreja. Defendia que o poder papal só podia ser obedecido se estivesse de acordo com as leis divinas e que a fé deveria ser baseada apenas nas escrituras do Novo Testamento. Seus discípulos foram denominados Hussitas, dentre eles, enfatizamos Jerônimo de Praga. Huss foi excomungado, julgado e morto na fogueira na cidade de Constança. Morreu cantando o cântico de Davi [Jesus filho de Davi tem misericórdia de mim].

Em plena época de preconceito e intolerância, Jan Huss foi considerado o 1º mártir da liberdade religiosa, dezesseis anos antes da francesa Joana d’Arc (1412-1431) ser queimada viva pelo mesmo motivo, e mais de cem anos antes do teólogo alemão Martinho Lutero apresentar suas 95 Teses, em 1517.

A Reforma

Em 31 de outubro de 1517, o sacerdote Martinho Lutero teria pregado 95 teses contra o catolicismo, em frente à igreja do castelo na cidade alemã de Wittenberg. Essas teses eram contestações às leis e dogmas da Igreja, que Lutero considerava abusivas. O monge propunha uma disputa escolástica sobre a venda de indulgências e defendia o fim do celibato, da adoração de imagens e das missas rezadas em latim.

Com o advento da imprensa gráfica na época, as ideias luteranas foram rapidamente reproduzidas e difundidas na Europa, o que evidentemente incomodou a igreja que logo se voltou contra Lutero. Inicialmente o sacerdote foi condenado por heresia e em agosto de 1518 o processo foi alterado para heresia notória. Finalmente em janeiro de 1521, Lutero foi excomungado. O monge se exilou na igreja de Wittenberg por um ano e nesse período dedicou-se a traduzir a bíblia para o idioma alemão.

As manifestações de apoio a Matinho Lutero foram imediatas. Sacerdotes de diversas localidades renunciaram ao voto de castidade, acabaram com as missas e adorações de imagens, dentre outras ações. A Igreja começou a sofrer golpes mais fortes porque alguns príncipes ambiciosos se aproveitaram do movimento das massas para confiscar bens da instituição religiosa. Numerosos camponeses empolgados pelo direito do pensamento livre iniciaram grande campanha contra a Igreja exigindo reforma agrária e social em nome do Evangelho. Esta rebelião ideológica provocou o conflito armado que ficou conhecido como a Guerra dos Camponeses (1524-1525). Em 1525 Lutero casou-se com Catarina de Bora, monja cisterciense apóstata, e teve seus filhos.

João Calvino
Alguns anos mais tarde, Ulrico Zuinglio iniciou a reforma na Suíça, posteriormente João Calvino tratou de consolidá-la surgindo o Calvinismo. Na Inglaterra a reforma foi proferida pelo monarca Henrique VIII que desejava satisfazer as suas necessidades políticas. Henrique era casado com Catarina de Aragão, que não lhe havia dado um filho homem. O imperador então solicitou ao papa Clemente VII a anulação do casamento. Perante a recusa do papado, Henrique fez-se proclamar, em 1531, protetor da Igreja inglesa. O Ato de Supremacia, votado no parlamento em novembro de 1534 colocou Henrique e os seus sucessores na liderança da igreja, nascendo assim o Anglicanismo.

Mais tarde a reforma chegou nos países baixos estendendo-se por todo o continente europeu.  Nascia naquele tempo o protestantismo com seus princípios fundamentais: Sola scriptura (Somente a Escritura), Sola gratia (Somente a Graça ou Salvação), Sola fide (Salvação Somente pela Fé) Solus Christus (Somente Cristo), Soli Deo gloria (Glória somente a Deus).

A Contrarreforma

A contrarreforma foi o movimento iniciado pela Igreja Católica a partir de 1545 em resposta a reforma protestante. Também é denominada Reforma Católica. Houve um esforço teológico, político e militar para conter a expansão do protestantismo. Seus objetivos eram espalhar a fé católica em regiões não cristianizadas; conter o avanço dos protestantes e modernizar a Igreja.

Incineração de Livros
Foi um período marcado por conflitos que envolveu metade da Europa, como a Guerra dos 30 anos (1618-1648) que demarcou territórios, fronteiras políticas e religiosas das duas vertentes do cristianismo (catolicismo e protestantismo).

A contrarreforma se destacou pela convocação do Concílio de Trento, que determinou a retomada do Tribunal do Santo Ofício (Tribunais de Inquisição), além da criação do Index Librorum Prohibitorum, uma lista que relacionava os livros proibidos pela Igreja (livros de ciências, bruxaria e, claro, literatura protestante). O Concílio reafirmou a autoridade papal, a manutenção do celibato e a confirmação da Bíblia Vulgata (em latim) como a versão oficial da Igreja. Determinou ainda o incentivo a catequese e a criação de novas ordens religiosas, dentre elas a Companhia de Jesus (os Jesuítas), fundada por Inácio de Loiola.

Neste período de contrarreforma, a Europa atravessou um tempo sombrio proporcionado pela Igreja Católica, que foi a expansão da inquisição, que já existia desde o século XIII na França, com o objetivo de combater heresias. Com a chegada dos Tribunais do Santo Ofício na Espanha e em Portugal, milhares de protestantes, judeus, muçulmanos, artistas, pensadores e cientistas, ou mesmo qualquer pessoa que fosse capaz de contestar publicamente as ideias da igreja, foram perseguidos, torturados, julgados e mortos pela Igreja.

A importância da Reforma Protestante e seus impactos políticos e religiosos.

A reforma protestante teve um impacto significativo na história, traçando os novos rumos políticos, econômicos e religiosos da humanidade. A Igreja até então, exercia um papel controlador na política, na economia, nas ciências e nas artes. O Papa era uma figura religiosa e política e opinava em diversas decisões. Após o movimento de Martinho Lutero o poder da Igreja se declinou entre as monarquias europeias. Houve um fortalecimento dos princípios sociais e econômicos da burguesia, que passaram a ser sustentados pela aprovação do lucro, que antes a Igreja combatia.

No campo religioso a reforma proporcionou o surgimento de outras vertentes do Cristianismo. A Igreja Católica na época, dividia espaço apenas com a Igreja Ortodoxa que tinha seus maiores domínios na região oriental. Com o advento do protestantismo nasceram as Igrejas Luterana, Anglicana, Presbiteriana e Batista, que se multiplicaram e se ramificaram em outras denominações. Hoje os protestantes contabilizam 40% dos cristãos em todo o mundo.

A Reforma Protestante e o Espiritismo

Os espíritas compreendem que a Reforma Protestante foi uma preparação para a chegada da Doutrina Espírita, o Consolador Prometido. Assim como o Cristo veio para cumprir a Lei professada por Moisés, a Doutrina Espírita não veio desdizer os ensinamentos do Mestre, mas desenvolvê-los, completá-los e explicá-los, sem alegorias.

A Reforma e os movimentos que se lhe seguiram vieram ao mundo com a missão especial de exumar a “letra’’ dos Evangelhos [...] a fim de que, depois da sua tarefa, pudesse o Consolador prometido, pela voz do Espiritismo cristão, ensinar aos homens o “espírito divino’’ de todas as lições de Jesus. (XAVIER, F.C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. Questão 295).

O espírito Humberto de Campos através da mediunidade de Chico Xavier, em uma mensagem publicada pela revista “O Reformador” na edição de setembro de 1978, narra que o espírito de Jan Huss (1369-1415), um dos mais importantes pré-reformadores, recebeu instruções de Jesus antes de retornar ao plano físico como Allan Kardec (1804-1869), para codificar a Doutrina Espírita.

“Não serás portador de invenções novas, não te deterás no problema de comodidade material à civilização, nem receberás a mordomia do dinheiro ou da autoridade temporal, mas deponho-te nas mãos a tarefa sublime de levantar corações e consciências. É indispensável estabelecer providências que amparem a fé, preservando os tesouros religiosos da criatura. Confio-te a sublime tarefa de reacender as lâmpadas da esperança no coração da humanidade.
O Evangelho do Amor permanece eclipsado no jogo de ambições desmedidas dos homens viciosos! …. Vai, meu amigo. Abrirás novos caminhos à sagrada aspiração das almas, descerrando a pesada cortina de sombras que vem absorvendo a mente humana. Na restauração da verdade, no entanto, não esperes os louros do mundo, nem a compreensão dos teus contemporâneos. ” […]  (Jesus dirigindo-se a Jan Huss no plano espiritual, antes desse espírito reencarnar como Allan Kardec, como narra o Espírito Humberto de Campos em mensagem publicada pela revista “O Reformador” em setembro de 1978).

Allan Kardec reencarnação de Jan Huss
Traçando um paralelo entre as duas personalidades, encontramos várias semelhanças que reafirmam a doutrina da reencarnação. Jan Huss foi reformador da língua do seu país, como lexicógrafo emérito, tradutor do idioma tcheco. Já Allan Kardec, além de talentoso educador, foi também tradutor de livros para diferentes idiomas. Huss viu algumas de suas obras serem queimadas pela Igreja em praça pública, assim como Kardec teve 300 exemplares de obras espíritas incineradas em um ato que ficou conhecido como o auto da fé em Barcelona.  Observemos também o período exato de 500 anos entre a data de nascimento de Huss e a de desencarnação de Kardec. Portanto, estamos convencidos de que o mesmo espírito, em diferentes épocas, esteve comprometido com a Doutrina do Cristo, primeiro trabalhando em defesa do Novo Testamento e posteriormente na edificação do cristianismo redivivo, através da codificação da Doutrina Espírita, o que nos leva a crer que a Reforma Protestante foi necessária para o surgimento do Espiritismo.

O movimento desencadeado pelos reformadores foi a origem da retomada do cristianismo que estava sendo desvirtuado pelos representantes católicos da época, em decorrência da depravação da natureza humana. A igreja utilizava a fé como instrumento de dominação e foi capaz de cometer atrocidades em nome de Deus para manter o seu poder. Entendendo todo esse contexto, a plêiade dos espíritos de luz, sob a égide de Jesus, julgou ser necessário a divisão do cristianismo para garantir a sua expansão e mais tarde, através do espiritismo, trazer de volta a ideia principal da doutrina cristã, como nos tempos dos discípulos de Jesus. Certamente, se a Doutrina do Cristo permanecesse apenas sob os domínios da igreja romana, o pensamento cristão estaria comprometido. Eis que então, a espiritualidade organizou a vinda de missionários para restaurar o cristianismo e garantir sua propagação.

O plano invisível determina, assim, a vinda ao mundo de numerosos missionários com o objetivo de levar a efeito a renascença da religião [...]. Assim, no século XVI, aparecem as figuras veneráveis de Lutero, Calvino, Erasmo, Melanchton e outros vultos notáveis da Reforma, na Europa Central e nos Países Baixos. XAVIER, F.C. A caminho da luz. Pelo Espírito Emmanuel. Cap. 20.

Não somente no campo religioso, mas também na ciência, na política e nas artes (renascimento e iluminismo), retornavam ao plano físico, espíritos encarregados de trazer novas ideias e mudar a visão distorcida que se tinha sobre diversos assuntos. Nicolau Copérnico (1473-1543), por exemplo, foi o primeiro a contradizer a igreja ao afirmar que a Terra não era o centro do universo.  Teoria confirmada mais tarde por Galileu Galilei (1564 - 1642).

A [...] ideia da reforma não estava só na cabeça de Lutero, mas na de milhares de cabeças, de onde deveriam sair homens capazes de a sustentar. KARDEC, Allan. Revista espírita. Jornal de estudos psicológicos. Ano de 1866, agosto, p. 321

Por que mesmo após o advento do espiritismo existem tantas religiões?

O planeta Terra ainda é um mundo em desenvolvimento e por isso necessita de uma variedade de doutrinas religiosas que sejam compatíveis com a capacidade de discernimento de seus adeptos. Cada espírito compreende as leis de Deus de acordo com o seu grau de evolução e é por isso que ainda existem divergências doutrinárias. Toda religião tem a sua importância, se cumpre o objetivo de aproximar o homem a Deus. Aqueles que causam guerras em nome do Criador ou das religiões, ainda não progrediram ao ponto de compreender que a maldade é fruto da natureza humana.

Quando todos os homens estiverem convencidos de que Deus é o mesmo para todos; de que esse Deus, soberanamente justo e bom, nada pode querer de injusto; que o mal vem dos homens e não dele, todos se considerarão filhos do mesmo Pai e se estenderão as mãos uns aos outros. (KARDEC, Allan. A Gênese: os milagres e as predições segundo o Espiritismo).

Leon Denis destaca que “O espiritismo não é a religião do futuro, mas sim o futuro de todas as religiões. ” Pois chegará um tempo em que todas as doutrinas reconhecerão as verdades trazidas pelo cristianismo redivivo através da Doutrina Espírita e comungarão da mesma ideia, consolidando a harmonia e a paz fundamental para o bem universal. Nesses tempos, desfrutaremos de um mundo ditoso, onde o bem prevalecerá entre os homens.













  



REFERÊNCIAS

XAVIER, Francisco Cândido. A caminho da luz: história da civilização à luz do Espiritismo. Pelo Espírito Emmanuel, de 17 de agosto a 21 de setembro de 1938. 33. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006.

KARDEC, Allan. A Gênese: os milagres e as predições segundo o Espiritismo. Trad. de Guillon Ribeiro da 5. ed. francesa. 48. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005.

SEFFNER, Fernando. Da reforma à contra-reforma. Coleção História geral em documentos. São Paulo: Atual.

MARTINA, Giacomo. História da Igreja: de Lutero aos nossos dias. V. 1: A era da Reforma. São Paulo: Loyola, 1997.

XAVIER, Francisco Cândido. O Consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 26. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006.

JOSTEIN, Gaarder. O Livro das Religiões. Jostein, Gaarde; Hellern, Victor; Notaker, Henry. Tradução: Isa Mara Lando; Revisão Técnica e Apêndice: Flávio Antônio Pierucci. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CHAUNU, Pierre. O tempo das reformas (1250-1550): a Reforma protestante. Lugar na História, v. 49-50, Edições 70, 1993.

 KARDEC, Allan. Revista espírita: jornal de estudos psicológicos. ano 12, n. 9, p. 372-374, set. 1869. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 3. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2009. Precursores do Espiritismo – Jan Huss.

XAVIER, Francisco C. Lembrando Allan Kardec. Pelo Espírito Humberto de Campos. Reformador, ano 96, n. 1.794, p. 25(293)-26(294), set. 1978.






















[1] Além de ser uma corrente filosófica, a Escolástica pode ser considerada um método de pensamento crítico que influenciou as áreas do conhecimento das Universidades Medievais. Nasceu nas escolas monásticas cristãs, de modo a conciliar a com um sistema de pensamento racional.

[2] Concessão de perdão divino para qualquer pessoa que pagasse por isso.