ESCLARECENDO A OBSESSÃO

Espiritismo obsessão

"Com nomes diferentes, os fenômenos de obsessão têm atravessado épocas."




Muito se fala em obsessão no meio espírita, mas poucos sabem de fato como acontece o mecanismo de tal doença. Doença? Isso mesmo, a obsessão pode ser considerada uma doença do espírito que, atingindo graus adiantados, acaba por aniquilar a matéria, ocasionando depressão, loucura e até mesmo o suicídio.
Com nomes diferentes, os fenômenos de obsessão têm atravessado épocas. Até mesmo a bíblia relata alguns acontecimentos nos tempos antigos. Existem casos famosos e outros que se escondem no anonimato. O fato é que a obsessão ainda é frequente nos dias atuais.

Entendendo a obsessão

Allan Kardec em O Livro dos Médiuns, define a obsessão como sendo o domínio que alguns espíritos procuram exercer sobre outros espíritos, sejam encarnados ou desencarnados. Esta  influência sempre acontece de forma negativa, onde o obsidiado (espírito dominado) é prejudicado de alguma forma, pois aquele que exerce o domínio é sempre um espírito de tendências nocivas.

Como se desenvolve

Perturbação EspiritualDe maneira geral a obsessão acontece porque somos espíritos em evolução necessitando de aperfeiçoamento moral. Sentimentos menos dignos como o egoísmo, o rancor, o ódio, o materialismo e o desejo de vingança ainda estão arraigados em muitos de nós. Aliás, boa parte dos casos de obsessão estão relacionados a vingança, geralmente, aqueles que prejudicamos em outrora, tendem a nos cobrar o mal que causamos, iniciando assim um processo obsessivo.
A obsessão é desencadeada por nossas próprias condutas viciosas. Nossos pensamentos e atitudes atraem para junto de nós espíritos afins. É como se abríssemos a porta para o "inimigo":

“(...) criando imagens fluídicas, o pensamento se reflete no envoltório perispirítico, como num espelho; toma nele corpo e aí de certo modo se fotografa. (...) Desse modo é que os mais secretos movimentos da alma repercutem no envoltório fluídico; que uma alma pode ler noutra alma como num livro e ver o que não é perceptível aos olhos do corpo.”

 (A Gênese, Allan Kardec, capítulo 14º, Item 15.)

Nestes casos, devemos considerar as recomendações do Cristo:


 "Vigiai e orai [...]" 

(Mateus 26:41).

É importante ressaltar que a obsessão não é necessariamente a influência de um espírito desencarnado sobre um espírito encarnado. Ela pode acontecer de diversas maneiras:

Encarnado para Encarnado: Pode parecer estranho, mas esse tipo de obsessão é uma das mais frequentes. Consiste na capacidade que certas pessoas possuem de manipular as outras, sequestrando de alguma forma a sua subjetividade, como por exemplo, o marido que restringe a liberdade da esposa por ciúmes ou manifesta um "amor doentio", anulando de alguma forma a sua personalidade.

Desencarnado para Desencarnado: Nas literaturas espíritas podemos encontrar vários relatos deste tipo de obsessão. Um espírito desencarnado passa a obsediar um outro espírito por vingança ou pelo simples desejo de escravizá-lo. Os recém desencarnados, atormentados pela própria consciência culpada, como homicidas, suicidas, dependentes químicos, etc.; são mais vulneráveis à investida de falanges maléficas.

Encarnado para Desencarnado: Você deve estar pensando como um espírito encarnado pode exercer influência sobre um espírito desencarnado, entretanto, esta situação é mais comum do que imaginamos. É natural sofrermos quando um ente querido  retorna para vida espiritual, todavia, nossas lágrimas produzidas pela dor e revolta contra as leis do Criador provocam aflição no espírito que partiu. Estas circunstâncias podem atormentar o desencarnado, que passa a ser atraído pelo sofrimento daquele que chora, provocando uma obsessão mútua.

Desencarnado para Encarnado: Este é o que nos parece mais incidente. Caracteriza-se pela influência de um espírito desencarnado sobre um espírito encarnado. O obsessor dispõe de recursos que o obsidiado não pode ver por estar limitado ao corpo físico. Ambos tornam-se ligados pela ação do pensamento.

Auto-Obsessão:  Nestes casos, o homem apresenta um estado doentio do próprio espírito, que é capaz de lhe proporcionar graves consequências. Sentem-se doentes fisicamente, entretanto procuram diagnósticos na medicina convencional e não o encontram. Trazem impressos no seu espírito patologias adquiridas em existências pretéritas, que voltam a tona e passam a produzir uma auto-obsessão. Esta condição pode desencadear no indivíduo transtornos de ansiedade como depressão, bipolaridade e síndrome do pânico.

“O homem não raramente é o obsessor de si mesmo”

(Obras Póstumas - Allan Kardec)

Estágios da obsessão

Para fins de estudo, Kardec classificou a obsessão em estágios, sendo muito difícil definir onde termina um estágio e inicia-se o outro. Alguns casos de obsessão são tão complexos que os estágios podem aparecer em alternância. Vejamos:

Obsessão Simples - É aquela onde o obsessor tenta insistentemente constranger sua vítima de alguma forma. Em alguns casos, o obsidiado tem condições de perceber a ação daquele que o pretende dominar.

Fascinação - Neste estágio, o espírito dominado passa a sofrer ação direta do obsessor, que tenta manipular seus pensamentos para provocar ações nocivas.

Subjugação - O espírito dominante passa a exercer o controle das vontades do obsidiado. Na linguagem popular é conhecida como possessão. O indivíduo fica sob o jugo de seu algoz.

Como tratar

O primeiro passo para se livrar da dominação é a mudança de atitudes. A transformação moral é fator preponderante para o sucesso do tratamento da obsessão. É necessário exercer o domínio dos próprios pensamentos, afim de que possa elevar o padrão vibratório e se desvencilhar dos domínios inferiores.

 “No que diz respeito ao problema das obsessões espirituais, o paciente é, também o agente da própria cura.”

 (Grilhões Partidos, Manoel Philomeno de Miranda, psicografia de Divaldo Pereira Franco.)

Imposição das mãos, aplicação de passe
Fluidoterapia
Recomenda-se  a realização da prece frequentemente, o evangelho no lar para purificar o ambiente, a vigilância dos hábitos e pensamentos nocivos, a prática da caridade e o trabalho edificante. Esses mecanismos devem proporcionar a aproximação dos benfeitores espirituais e consequentemente o afastamento de espíritos ignorantes.
Aprender a perdoar e pedir perdão também consiste em terapia renovadora e eficaz contra os domínios da obsessão. É necessário entender que a maldade não é uma estado definitivo do espírito. Como espíritos imperfeitos, somos passíveis de erros e assim como desejamos ser compreendidos quando erramos, devemos ser complacentes com os erros alheios.
A família do obsediado deve participar do processo de desobsessão, sendo esclarecida acerca da situação para que possa ajudar a vítima em seu restabelecimento. Não raro são os casos de obsessão que se estendem aos outros membros da família. O seio familiar costuma reunir espíritos unidos pelos mais profundos laços do passado.
Em casos mais complexos é necessário buscar ajuda de uma casa espírita, que poderá aplicar no obsidiado a fluidoterapia e se for o caso, através de grupos mediúnicos, realizar o trabalho de esclarecimento do espírito obsessor, conscientizando-o de suas ações  e ao  mesmo tempo oferecer-lhe uma oportunidade de regeneração.

É possível prevenir a obsessão?

Sim. É perfeitamente possível evitar a instalação de um processo obsessivo.
Como dissemos anteriormente, a chave para cura da obsessão está nas mãos do próprio obsidiado, sendo assim, na prevenção os mecanismos não são diferentes.
A retidão moral constitui vacina eficaz contra a obsessão. É necessário manter a mente ocupada com bons pensamentos, colocar-se em contato com Deus através da prece e dedicar-se ao trabalho digno. A fé, o amor e a caridade são fontes renovadoras de boas energias e nos mantêm em contato com a alta espiritualidade. A obsessão só acontece quando permitimos.

Para Libertar-nos

"A preguiça conserva a cabeça desocupada e as mãos ociosas.
A cabeça desocupada e as mãos ociosas encontram a desordem.
A desordem cai no tempo sem disciplina.
O tempo sem disciplina vai para a invigilância.
A invigilância patrocina a conversação sem proveito.
A conversação sem proveito entretece as sombras da cegueira de espírito.
A cegueira de espírito promove o desequilíbrio.
O desequilíbrio atrai o orgulho.
O orgulho alimenta a vaidade.
A vaidade agrava a preguiça.
Como é fácil de perceber, a preguiça é suscetível de desencadear todos os males, qual a treva que é capaz de induzir a todos os erros.
Compreendamos, assim, que obsessão, loucura, pessimismo, delinquência ou enfermidade podem aparecer por autênticas fecundações da ociosidade, intoxicando a mente e arruinando a vida.
E reconheçamos, de igual modo, que o primeiro passo para libertar-nos da inércia será sempre trabalhar."

(Emmanuel, extraído do livro “Passos da vida”, psicografia de Chico Xavier)



REFERÊNCIAS:


A GÊNESE - ALLAN KARDEC

DRAMAS DA OBSESSÃO - YVONE A. PEREIRA PELO ESPÍRITO DE BEZERRA DE MENEZES

OBSESSÃO E DESOBSESSÃO - SUELY CALDAS SCHUBERT

O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - ALLAN KARDEC

O LIVRO DOS MÉDIUNS - ALLAN KARDEC