MENSAGEIROS DA PAZ: ANDRÉ LUIZ


 André Luiz


"Quero trabalhar e conhecer a satisfação dos cooperadores anônimos da felicidade alheia. Procurarei a prodigiosa luz da fraternidade através do serviço às criaturas, olvidando o próprio nome que deixo para trás por amor a Deus e a elas. Revisto-me transitoriamente de outra personagem para melhor ensinar e amparar. Sou André Luiz."


André Luiz é o pseudônimo adotado por um dos autores espirituais que trouxeram boas novas do mundo extra físico através da mediunidade de Chico Xavier.
Sua verdadeira identidade nunca fora revelada, pois quando começou a desenvolver seu trabalho em 1944, ainda vivia no plano físico a maioria de seus familiares:

"[...] por trazer valiosas impressões aos companheiros do mundo, necessitou despojar-se de todas as convenções, inclusive a do próprio nome, para não ferir corações amados, envolvidos ainda nos velhos mantos da ilusão."

(Nota de Emmanuel contida no prefácio do livro “Nosso Lar”)

Existem várias especulações sobre a identidade de André Luiz, algumas teorias são reforçadas por integrantes do movimento espírita e por pessoas ligadas ao médium Chico Xavier (uma das poucas pessoas que sabiam a verdade sobre André), entretanto a confirmação pública pelo médium ou pelo próprio espírito jamais existiu.

O Espírito André Luiz

Em meados de 1943, André Luiz apresenta-se a Chico Xavier através da orientação de Emmanuel para dar início a uma sequência de obras espirituais que revolucionariam a visão espírita de vida além túmulo existente até então. Através do Best Seller “Nosso Lar” (O livro mais vendido de Chico Xavier), o autor revela a existência de cidades espirituais paralelas ao plano físico e apresenta detalhes da organização da Colônia Espiritual Nosso Lar, narrando sua própria saga após seu desencarne ocorrido em 1930.
Na obra, André Luiz conta que viveu na cidade do Rio de Janeiro e fora um renomado médico sanitarista, filho de pais generosos que sempre lhe proporcionaram conforto. Casara-se com Zélia (nome fictício de sua esposa contido no livro “Nosso Lar”) e com ela tivera três filhos. André destaca que fora um homem orgulhoso, não exercendo sua missão de médico de forma caridosa. Boêmio, contraiu sífilis em suas noitadas e em conseqüência desenvolveu uma obstrução intestinal que tirou seu espírito da vida terrena.


Cena do Filme "Nosso Lar"
No plano espiritual vagou por cerca de oito anos nas zonas umbralinas e fora acusado de ter cometido suicídio pelos espíritos que o obsediavam nas esferas inferiores, acusação que no momento não era compreendida por ele.

 Cansado de sofrer as torturas da própria consciência, lembrou de fazer uma prece pedindo perdão a Deus sobre seus atos, foi então que o orgulhoso médico fora resgatado e conduzido às esferas superiores para tratamento espiritual em um hospital na colônia Nosso Lar.

André Luiz em "Nosso Lar"
A partir daí, o espírito toma consciência de seus excessos enquanto homem encarnado e entende que praticara suicídio inconsciente por não preservar o corpo físico que lhe servira de instrumento para evolução espiritual.
Passa a viver então em Nosso Lar como aprendiz, e movido pela vontade de rever a família que ficara na terra, começa a trabalhar pelo semelhante e a se despojar das paixões inferiores que o acompanhavam em vida, a fim de acumular méritos e obter o direito de visitar a esposa e os filhos em seu antigo lar.
Quando ganha a permissão para rever os seus, sofre um choque ao encontrar sua esposa casada com outro homem e então passa a entender que nunca fizera por merecer o carinho da família. Retornando a Nosso Lar, André Luiz inicia o trabalho de divulgação do plano espiritual através da psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira.

A Série Nosso Lar

Livro Nosso Lar
Como dissemos anteriormente, “Nosso Lar” fora a obra mais conhecida, produzida através da mediunidade de Chico Xavier. Somando todas as edições do livro, os registros de venda até o ano de 2003 ultrapassaram 1,5 milhões de exemplares.
As novidades do plano espiritual anunciadas por André Luiz em “Nosso Lar” causou um impacto significativo no movimento espírita. Até então não se tinha notícias de como os espíritos se organizavam no plano espiritual. A revelação da existência de cidades espirituais dividiu opiniões, entretanto fora confirmada em outras obras, através de outros espíritos utilizando-se de outros médiuns, o que dá credibilidade a André Luiz, pois a mesma revelação declarada por espíritos distintos e obtida por médiuns diferentes está em consonância com os fundamentos Kardequianos:

“A REVELAÇÃO tem por característica a VERDADE. Se for desmentida por fatos, deixa de ter origem Divina, pois Deus não se engana nem mente.”
(Allan Kardec em “A Gênese”)

Capa do Filme "Nosso Lar"
Nosso lar serviu de inspiração para outros tipos de obras, como novelas (“A Viagem” – TV Globo, 1994) e o filme de Wagner de Assis que leva o mesmo nome do livro, lançado nos cinemas em 2010 e assistido por cerca de 2 milhões de pessoas, além de diversas peças teatrais que percorrem o Brasil.
O livro, entretanto, foi apenas a primeira obra de uma série de dezesseis livros que compõem o conjunto denominado a “Série Nosso Lar”, as quais destacam as experiências deste espírito no plano extra-físico:

Os Mensageiros (1944)
Missionários da Luz (1945)
Obreiros da Vida Eterna (1946)
No Mundo Maior (1947)
Agenda Cristã (1947)
Libertação (1949)
Entre o Céu e a Terra (1954)
Nos Domínios da Mediunidade (1954)
Ação e Reação (1957)
Evolução em dois Mundos (1958)
Mecanismos da Mediunidade (1959)
Conduta Espírita (1960)
Sexo e Destino (1963)
Desobsessão (1964)
E a Vida Continua (1968)
Respostas da Vida (1975)

Além da Série Nosso Lar, André Luiz assina outras nove obras em conjunto com outros espíritos, a maioria delas com Emmanuel.

Teorias sobre a Identidade de André Luiz

Os espíritas mais curiosos, fascinados com os livros de André Luiz passaram a investigar a possível identidade do espírito, autor de “Nosso Lar” e então, surgiram algumas especulações que apresentaremos a seguir:

Oswaldo Cruz
Oswaldo Cruz: Uma das personalidades atribuídas a André Luiz é a do médico sanitarista Oswaldo Cruz. O cientista brasileiro foi o pioneiro no estudo das moléstias tropicais e da medicina experimental no Brasil. Fundou em 1900 o Instituto Soroterápico Nacional no bairro de Manguinhos, no Rio de Janeiro, transformado em Instituto Oswaldo Cruz, respeitado internacionalmente. Entretanto, as informações fornecidas pelo espírito de André Luiz no livro “Nosso Lar”, não batem com a biografia de Oswaldo Cruz, a começar pela data de falecimento de Oswaldo que ocorrera em 1917, sendo que André Luiz teria desencarnado por volta de 1930, além de outras incompatibilidades históricas.

Carlos Chagas
Carlos Chagas: Outra hipótese levantada acerca da identidade de André Luiz é a de que ele teria sido Carlos Chagas, médico atuante na saúde pública do Brasil, iniciou sua carreira no combate à malária e descobriu a doença de chagas, a qual levou seu sobrenome. Foi diversas vezes laureado com prêmios de instituições do mundo inteiro, sendo as principais como membro honorário da Academia Brasileira de Medicina e doutor honoris causa da Universidade de Harvard e Universidade de Paris. Também trabalhou no combate à leptospirose e às doenças venéreas, além de ter sido o segundo diretor do Instituto Oswaldo Cruz.
Waldo Vieira

Essa hipótese é reforçada por Waldo Vieira, médium desertor do espiritismo que psicografou em conjunto com Chico Xavier algumas obras de André Luiz. Waldo afirma que não fora revelada a identidade do autor espiritual na época, pois o filho de Chagas, Carlos Chagas Junior, ocupava um cargo no departamento de ciências do Vaticano, fato que causaria grande repercussão.

Comparando a biografia de Chagas com a de André Luiz, constata-se que também há divergências entre eles. Carlos Chagas contribui enormemente com a sociedade brasileira no que diz respeito à saúde pública, André Luiz relata em suas obras que falhou gravemente em sua missão na terra. Chagas teve dois filhos e desencarnou de ataque cardíaco, André deixou três herdeiros e partiu para o plano espiritual em decorrência de uma obstrução intestinal em conseqüência de um possível câncer. Como podemos ver, há uma incompatibilidade entre as personalidades.

Faustino Esposel

Faustino Esposel: Atualmente é uma das teorias mais aceitas no universo espírita. Faustino nasceu no Rio de Janeiro e fora professor substituto da seção de neurologia e psiquiatria da Faculdade de Medicina e reputado clínico, catedrático de neurologia na Faculdade Fluminense de Medicina. Foi ainda chefe do serviço da Policlínica de Botafogo e do Sanatório de Botafogo e médico da Associação dos Empregados do Comércio. E era também sanitarista, portador por concurso do título de docente de higiene da Escola Normal do Rio de Janeiro, na qual foi continuamente encarregado de cursos complementares. Era um desportista apaixonado, chegando a ser presidente do time do Flamengo.

Faustino Esposel desencarnou em setembro de 1931, com 43 anos vítima de câncer, mais ou menos na mesma data em que desencarna André Luiz. Tivera também três filhos, um primogênito e duas meninas, como descreve André Luiz em Nosso Lar.
Vale ressaltar que André Luiz fez algumas modificações em sua narrativa para despistar possíveis investigações sobre sua verdadeira identidade.
O fato é que não há nada concreto com relação a quem foi André Luiz em vida terrena, apenas hipóteses. O autor espiritual de “Nosso Lar” permanece no anonimato. O mais importante é sua valiosa contribuição para com o movimento espírita, que indubitavelmente trouxe novas perspectivas para a doutrina.

Ao que tudo indica André Luiz não mais se manifestou após a partida de Chico Xavier e a deserção de Waldo Vieira. Acredita-se que esse bravo espírito permanece em Nosso Lar trabalhando em benefício de seus semelhantes. A ele, fica nossa gratidão por ter apresentado valiosos ensinamentos.

Ilustração da Cidade Espiritual "Nosso Lar"


Mensagem de André Luiz

A vida não cessa. A vida é fonte eterna e a morte é jogo
escuro das ilusões.
O grande rio tem seu trajeto, antes do mar imenso.
Copiando-lhe a expressão, a alma percorre igualmente caminhos
variados e etapas diversas, também recebe afluentes de
conhecimentos, aqui e ali, avoluma-se em expressão e purifica-se
em qualidade, antes de encontrar o Oceano Eterno da Sabedoria.
Cerrar os olhos carnais constitui operação demasiadamente
simples.
Permutar a roupagem física não decide o problema
fundamental da iluminação, como a troca de vestidos nada tem
que ver com as soluções profundas do destino e do ser.
Oh! caminhos das almas, misteriosos caminhos do coração!
É mister percorrer-vos, antes de tentar a suprema equação da
Vida Eterna! É indispensável viver o vosso drama, conhecer-vos
detalhe a detalhe, no longo processo do aperfeiçoamento
espiritual!...
Seria extremamente infantil a crença de que o simples
"baixar do pano" resolvesse transcendentes questões do Infinito.
Uma existência é um ato.
Um corpo - uma veste.
Um século - um dia.
Um serviço - uma experiência.
Um triunfo - uma aquisição.
Uma morte - um sopro renovador.
Quantas existências, quantos corpos, quantos séculos,
quantos serviços, quantos triunfos, quantas mortes necessitamos
ainda?
E o letrado em filosofia religiosa fala de deliberações finais
e posições definitivas!
Ai! por toda parte, os cultos em doutrina e os analfabetos do
espírito!
É preciso muito esforço do homem para ingressar na
academia do Evangelho do Cristo, ingresso que se verifica, quase
sempre, de estranha maneira - ele só, na companhia do Mestre,
efetuando o curso difícil, recebendo lições sem cátedras visíveis
e ouvindo vastas dissertações sem palavras articuladas.
Muito longa, portanto, nossa jornada laboriosa.
Nosso esforço pobre quer traduzir apenas uma idéia dessa
verdade fundamental.
Grato, pois, meus amigos!
Manifestamo-nos, junto vós outros, no anonimato que
obedece à caridade fraternal. A existência humana apresenta
grande maioria de vasos frágeis, que não podem conter ainda
toda a verdade. Aliás, não nos interessaria, agora, senão a
experiência profunda, com os seus valores coletivos. Não
atormentaremos alguém com a idéia da eternidade. Que os vasos
se fortaleçam, em primeiro lugar. Forneceremos, somente,
algumas ligeiras notícias ao espírito sequioso dos nossos irmãos na senda de realização espiritual, e que compreendem conosco que
"o espírito sopra onde quer".
E, agora, amigos, que meus agradecimentos se calem no
papel, recolhendo-se ao grande silêncio da simpatia e da
gratidão. Atração e reconhecimento, amor e júbilo moram na
alma. Crede que guardarei semelhantes valores comigo, a vosso
respeito, no santuário do coração.
Que o Senhor nos abençoe.

(Trecho do Livro "Nosso Lar")