MENSAGEIROS DA PAZ: ALLAN KARDEC



Para iniciar a série "Mensageiros da Paz", não poderíamos deixar de mencionar a biografia do Codificador da Doutrina Espírita, Allan Kardec. O espiritismo, sobretudo, nasceu da boa vontade deste iluminado espírito, o qual dedicou boa parte de sua vida ao estudo dos fenômenos sobrenaturais, trazendo a luz àquela que seria a terceira revelação: A Doutrina dos Espíritos.


Nascimento e Juventude:
Em 3 de outubro de 1804 as 19 horas, nascia em Lyon na França, Hippolyte Léon Denizard Rivail, com a missão de, mais tarde, apresentar ao mundo o consolador prometido por Jesus.
Filho do magistrado Jean Baptiste Antoine Rivail e Jeanne Duhamel, Rivail descende paternalmente de uma família de juristas e maternalmente de respeitáveis teólogos, matemáticos e escritores.
Recebeu a educação básica em sua terra natal e sua formação religiosa era voltada ao catolicismo. Nesta época, reinava na França o imperador Napoleão Bonaparte, que veio posteriormente proibir o estudo de matérias que viessem a desenvolver o raciocino crítico nos jovens, desta forma, as famílias mais abastadas encaminhavam seus filhos para completar os estudos fora do país. Por esse motivo, em 1814, quando Rivail contava 10 anos, seu pai o transferira para Yverdun na Suíça (região predominantemente protestante) para concluir sua educação, sob a tutela de Johann Heinrich Pestalozzi.
Instituo Pestalozzi - Yverdun, Suíça
No Castelo de Zahringenem, sede do Intituto Pestalozzi, Rivail aos 14 anos já se destacava ministrando cursos gratuitos a seus colegas menos adiantados. Dedicava-se aos estudos como ninguém e seguia uma rigorosa disciplina aplicada por Pestalozzi, tornando rapidamente um de seus fiéis discípulos e representante de seus projetos, substituindo por vezes seu mestre em diversas atividades. Aos 18 anos, bacharelou-se em Ciências e Letras.



O legado de Rivail:
Ao findar seus estudos, o jovem professor retornou ao seu país de origem e rapidamente se tornou um respeitável pensador francês. Dominava o alemão, o inglês, o italiano e o espanhol; conhecia também o holandês.
Em 1826, fundou o Instituto Técnico Rivail em sociedade com um de seus tios maternos, o qual financiava a instituição. Rivail ministrava aulas com métodos de ensino adquiridos em seu convívio com Pestalozzi.
Por volta de 1831, o pedagogo francês conhece Amélie Gabrielle Boudet, professora de Letras e Belas Artes, que mais tarde veio a se tornar sua principal colaboradora e dedicada esposa.
Curso de Aritmética de Rivail
No ano subsequente o Instituto Rivail fecha suas portas em decorrência de dívidas de jogo de seu tio que era o sócio-capitalista, principal financiador. Após este incidente, Rivail passa ministrar aulas gratuitas de química, física, anatomia e astronomia em sua própria residência.
Como pedagogo trouxe inovações significativas nos métodos de ensino existentes na época, publicando diversas obras como: Plano proposto para melhoramento da Instrução pública (1828); Curso prático e Teórico de Aritmética, segundo o método Pestalozzi, para uso dos professores e das mães de família (1824); Gramática Francesa Clássica (1831); Manual dos exames para os títulos de capacidade; Soluções racionais das questões e problemas de Aritmética e de Geometria (1846); Catecismo gramatical da língua francesa (1848); Programa dos cursos usuais de Química, Física, Astronomia, Fisiologia, que ele professava no Liceu Polimático; Ditados normais dos exames da Municipalidade e da Sorbona, seguidos de Ditados especiais sobre as dificuldades ortográficas (1849). Algumas destas obras foram utilizadas pela Universidade da França.

O Contato com o Fenômeno das Mesas Girantes:
Rivail ouve falar pela primeira vez do fenômeno das “Mesas Girantes”(manifestações ocultas que tiveram início nos Estados Unidos e posteriormente chegou a Europa) em 1864:
“Eu me encontrava, pois, no ciclo de um fato inexplicado, contrário, na aparência, às leis da Natureza e que minha razão repelia. Nada tinha ainda visto nem observado; as experiências feitas em presença de pessoas honradas e dignas de fé me firmavam na possibilidade do efeito puramente material; mas a idéia, de uma mesa falante, não me entrava ainda no cérebro.”
Mesas Girantes
Em 1855, nosso ilustre professor encontra um velho amigo, o Sr. Carlotti, o qual lhe discorre com entusiasmo por cerca de 1 hora sobre os assuntos ocultos. Alguns meses mais tarde, Rivail conhece à casa da sonâmbula Sra. Roger, com o Sr. Fortier, seu magnetizador. Lá encontrou também o Sr. Pâtier e a Sra. Plainemaison, que falaram desses fenômenos no mesmo sentido que o Sr. Carlotti, onde foi convidado a assistir uma sessão mediúnica.
A partir de então, Rivail inicia seu trabalho de observação e análise dos fatos paranormais:
“Um dos primeiros resultados das minhas observações foi que os Espíritos, não sendo senão as almas dos homens, não tinham nem a soberana sabedoria, nem a soberana ciência; que o seu saber era limitado ao grau do seu adiantamento, e que a sua opinião não tinha senão o valor de uma opinião pessoal. Esta verdade, reconhecida desde o começo, evitou-me o grave escolho de crer na sua infalibilidade e preservou-me de formular teorias prematuras sobre a opinião de um só ou de alguns.”

A Codificação Espírita:
Original de "O Livro dos Espíritos"
A partir do primeiro contato com os fenômenos das mesas girantes e falantes, Rivail passa a desenvolver seus estudos sob a coordenação do Espírito da Verdade. Iniciando a elaboração de uma série de perguntas direcionadas aos espíritos que estabeleciam contatos nas reuniões mediúnicas. Para realizar esse importante estudo, o professor contou com a ajuda das jovens médiuns: Caroline e Julie Baudin (14 e 16 anos) e Ruth Céline Japhet (18 anos).
Em 18 de abril de 1857 em Paris, publica-se “O Livro dos Espíritos”, considerada a obra base do espiritismo, surgindo a partir desta, outras obras importantes, as quais formam a Codificação Espírita, conhecida também como “Pentateuco Kardequiano”, são elas: “O Livro dos Médiuns” (1861), “O Evangelho Segundo o Espiritismo” (1864), “O Céu e o Inferno” (1865) e “A Gênese” (1868).
Com o sucesso de “O Livro dos Espíritos”, em 1858 foi lançada a Revista Espírita. No mesmo ano fundou-se também a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, tornando-se o primeiro centro espírita da história.

O Pseudônimo “Allan Kardec”:
Como o professor Rivail havia se tornado uma figura reconhecida na França e a Doutrina Espírita confrontava o Catolicismo, o pedagogo ao publicar o Livro dos Espíritos, se viu obrigado a adotar um nome fictício para assinar a obra, a fim de evitar perseguições de uma sociedade preconceituosa. A escolha do pseudônimo “Allan Kardec” ocorre de forma curiosa.
Em umas das noites de trabalhos mediúnicos, o espírito Z. (espírito guia de Allan Kardec), revelou que tivera contato com Hippolyte em uma de suas vidas pregressas na Gália (mais tarde França), no tempo dos Druidas, onde o nosso pedagogo se encontrava na posição de um sacerdote que levava o nome de Allan Kardec, a partir de então, Hippolyte passou a utilizar este pseudônimo para publicar seus estudos referentes ao espiritismo.

O Auto da Fé em Barcelona:
Imagem Ilustrativa
Em 9 de outubro de 1861, registra-se um acontecimento digno de menção. O então bispo da cidade de Barcelona na Espanha queimou na esplanada da cidade, cerca de 300 exemplares espíritas em sinal de repúdio a Doutrina que despertara há pouco. O episódio virou notícia entre os principais meios de comunicação da época, além de causar enorme rebuliço entre as pessoas presentes, as quais ficaram curiosas e buscaram entre as cinzas, páginas legíveis para que pudessem conhecer as obras. O fato ficou marcado na história do espiritismo e acabou soando como uma divulgação da doutrina.

O Desencarne de Allan Kardec:

Túmulo de Allan Kardec
Quando se preparava para transferência de sua residência em 31 de março de 1869 entre 11 horas e meio dia, carregando nas mãos um exemplar da Revista Espírita, Kardec foi acometido pelo rompimento de um aneurisma na aorta, o qual o incomodava há alguns anos e que acabou por sucumbir. Apesar de todas as recomendações médicas para realizar repouso, o professor não conseguira cumpri-las, pois se dedicava por completo a codificação da doutrina. No dia 2 de abril, aos 64 anos, seus despojos carnais foram sepultados no cemitério de Montmartre na França, sob o olhar de mais de mil pessoas. Um ano mais tarde, seus restos mortais foram transladados para o cemitério Pèrie Lâchaise, onde permanecem até os dias atuais. No lugar de uma lápide, fora esculpido um monumento em forma de dólmem, homenageando sua reencarnação druida, a qual recebera o nome de Allan Kardec. Em seu túmulo, permanece gravada uma de suas frases mais célebres: “Nascer, morrer, voltar a nascer progredir sem cessar, tal é a lei."

Referências: Obras Póstumas